“Estou pensando em um intercâmbio para meu filho, será que é o melhor momento”?

Essa é uma dúvida comum de muitos pais, principalmente aqueles que possuem jovens em casa. É uma experiência enriquecedora, que pode ajudá-los em seu desenvolvimento social e pessoal. 

Mas existe uma idade certa? Qual a melhor modalidade de intercâmbio? Preciso contratar uma agência? As perguntas são inúmeras, e abordamos algumas delas neste texto. Confira!

A importância do intercâmbio

No ensino médio, no início da universidade, no primeiro emprego. O intercâmbio permeia a vida de muitas pessoas em diversos momentos. O motivo é simples: é uma experiência que prepara os jovens para o futuro. Quem pode proporcioná-la aos seus filhos deve, portanto, conhecer a importância do intercâmbio.

A primeira e mais evidente importância é a variedade de situações para aprendizado. Lidar com outro idioma, com a rotina de uma cidade desconhecida, e vivenciar outras culturas são situações desafiadoras.

Relacionado a isso, podemos dizer que esses desafios incentivam os jovens a melhorar sua capacidade de solucionar problemas. Em outras palavras, promove a independência, porque deverão trilhar, sozinhos, os caminhos diante das diversas situações. Isso é muito positivo, porque seus filhos terão oportunidades para desenvolver competências importantes para toda a vida.

Sob esse aspecto, podemos considerar o intercâmbio uma experiência rica para a transição para a vida adulta. Lidar com pressões e responsabilidades diversas ajuda os jovens a se tornarem mais confiantes, independentes e focados. Não à toa, faz muita diferença na vida profissional, que demanda “jogo de cintura” para crescer na carreira.

Por fim, sabemos que muitos pais ficam preocupados com a ideia de um intercâmbio para o filho. Mas não é tão difícil quanto parece. Vocês poderão se manter conectados pela internet. 

Aproveite o tempo para pensar no comportamento da família em relação ao filho intercambista. É um momento de grande aprendizado para todos, e isso também é uma importância relevante do intercâmbio.

Para quem quer aprender inglês

O intercâmbio é uma oportunidade de praticar inglês? Sem dúvidas! Esse é, inclusive, um dos motivos pelos quais os pais procuram agências de intercâmbio. O reforço do segundo idioma é muito importante.

É comum que o intercâmbio seja feito em países de língua inglesa ou espanhola. Afinal, são idiomas muito populares no Brasil. Mas, seja qual for o país de destino, ter fluência em uma segunda língua é primordial para o mercado de trabalho.

No caso do inglês, os jovens começam seus estudos aqui no Brasil. Mas, ao passar meses no Canadá, nos Estados Unidos ou na Austrália, voltam muito mais avançados. Isso também será um diferencial no futuro profissional. E não só pelo contato constante com o novo idioma, mas também pelas conexões criadas no exterior. 

Para aproveitar ao máximo a viagem, é fundamental que o jovem tenha uma base da língua. Coloque-se no lugar dele. Escolha um país com uma língua estrangeira e viaje para lá sem saber nada. China ou Japão, por exemplo, que têm idiomas muito peculiares. 

Como você se sentirá lá? Como se comunicará e terá autonomia para atitudes simples, como pedir informações, refeições ou desejar um bom dia? Será bem difícil, mesmo para quem viaja com um aplicativo de tradução simultânea. 

Portanto, antes de enviar seu filho para o intercâmbio, certifique-se de que ele esteja em uma boa escola de inglês, como a Centro Britânico. Assim, ele terá uma base técnica e cultural para se virar bem no país de destino. Sem dúvidas, ele poderá usufruir de todos os benefícios de um intercâmbio.

Modalidades de intercâmbio para meu filho

Os programas de intercâmbio são muito diversos. Eles consideram o perfil de cada adolescente, o idioma que deve ser explorado e o momento de vida.

Se você tem um filho tímido, que não está acostumado a viajar sem os pais, a agência responsável deve encontrar experiências mais adequadas a ele. Afinal, a ideia é que eles se desenvolvam conforme sua personalidade, sem antecipar etapas. Por outro lado, um filho extrovertido, que não vê a hora de superar os desafios, já está mais pronto para experiências mais autônomas.

Quanto ao momento de vida, existem diversas opções. Listamos a seguir as mais comuns:

  • Intercâmbio com trabalho voluntário: geralmente realizado por pessoas maiores de idade, é um intercâmbio de troca. O jovem vai para outro país para realizar uma ação social, a custo baixíssimo. É uma grande oportunidade para ampliar a experiência cultural e desenvolver os lados pessoal e profissional.

  • Graduação: o jovem universitário viaja para fora do Brasil por 1 ano e estudará matérias relacionadas ao seu curso em uma universidade estrangeira. Além de aperfeiçoar o idioma local, terá experiências profissionais interessantes. Em muitos casos, exige-se certo nível de proficiência. 

  • Au pair: intercâmbio com duração de 1 ano em que o jovem de 18 a 30 anos viaja para trabalhar e estudar. Ele mora com uma família, deve cuidar das crianças e organizar a casa, e ganha por isso. Destinado para quem tem carteira de motorista e ensino médio completo.

  • High school: realizado durante o Ensino Médio, o adolescente entre 14 e 19 anos passa de três meses a um ano em uma escola de outro país. O jovem ficará na casa de uma família escolhida pela agência. 

  • Estudo e trabalho: intercâmbio muito comum para Austrália, Nova Zelândia, Malta e Irlanda, a ideia é estudar em um turno e trabalhar em outro. Durante as férias, o trabalho pode ser em tempo integral. Demanda fluência no idioma, geralmente no inglês. 

Seu filho também pode realizar um intercâmbio mais simples, apenas para estudo de inglês. Em geral, dura 1 mês e o foco é aprender (ou reafirmar) o segundo idioma. 

Quando ele estiver mais velho, poderá ainda optar por fazer uma pós em outro país (residência médica ou em saúde, MBA, fellowship, mestrado, doutorado ou PhD). Esse é um dos tipos de intercâmbio muito valiosos para o mercado de trabalho e para quem busca uma nova colocação.

Para cada tipo de intercâmbio, perceba que existe uma idade mais adequada. Em geral, a idade mínima é relativa aos pré-adolescentes (13 anos), que estão quase ingressando no ensino médio. No entanto, não existe uma idade máxima. É possível aproveitar os benefícios do intercâmbio de acordo com cada idade. 

Países ideais para intercâmbio

O melhor destino de intercâmbio para seu filho depende da proposta da viagem. Como pontuamos acima, alguns países são mais comuns quando o assunto é estudo e trabalho. Se a ideia é só melhorar a fluência no espanhol, por exemplo, um país vizinho ao Brasil é uma ótima opção. Na hora de escolher o país, converse com a agência para saber as indicações conforme a modalidade de intercâmbio.

Alguns fatores, porém, devem ser considerados ao pensar nos países possíveis:

  • Cultura: a cultura local influencia diretamente na experiência do seu filho, e é fundamental seguir as regras básicas daquele local para evitar consequências desagradáveis. Uma pessoa tímida pode se dar melhor em locais em que as pessoas são menos invasivas. Por outro lado, uma pessoa muito expansiva terá um “choque cultural” em cidades mais “frias”.

  • Objetivo: para aprimorar a capacidade de falar o idioma estrangeiro, é melhor contar com países que tenham menos pessoas que falam português;

  • Datas: alguns tipos de intercâmbio, como graduação e ensino médio, tem datas predefinidas;

  • Disponibilidade financeira: para quem está com poucos recursos, o ideal é evitar as grandes metrópoles;

  • Clima local: nem todo mundo se adapta a locais extremamente frios, pense nisso.

Cuidados ao escolher uma agência de intercâmbio

Para que a experiência do seu filho seja incrível, você precisa escolher bem quem dará todo o suporte necessário. Existem muitas agências de intercâmbio espalhadas no Brasil, mas qual será a mais adequada?

Alguns aspectos devem ser levados em consideração na hora da escolha. Todos eles são de fundamental importância para os pais e para o intercambista. Por isso, mostramos a seguir tudo que você deve observar ao fazer o planejamento do intercâmbio do seu filho. Afinal, todos precisam sentir segurança de ter a quem recorrer diante de qualquer imprevisto. 

Defina os objetivos do intercâmbio para seu filho

O primeiro passo é pensar em quais são os objetivos do intercâmbio do seu filho. A ideia é enviá-lo por 6 meses ou 1 ano para cursar o ensino médio no Canadá? Ou seria só 2 meses para estudar inglês nos Estados Unidos?

Para cada tipo de intercâmbio, existem agências especializadas. Se você já sabe o objetivo da viagem, pode procurar uma específica para aquele formato. Assim, poderá atender às expectativas de forma mais ajustada.

Analise as possibilidades de destinos oferecidas

Dentro do tipo de intercâmbio escolhido, você verá que existem muitas opções de destino. Fazer o ensino médio em um país de língua inglesa significa ter uma gama de países à disposição: Inglaterra, Estados Unidos, Austrália, Canadá e muitos outros. Dentro de cada país, teremos as metrópoles, as cidades grandes, médias e pequenas. Parece impossível escolher sozinho, certo?

Aqui entra o trabalho de uma agência competente. De acordo com suas possibilidades financeiras, com o tempo de intercâmbio e com o perfil do seu filho, ela deverá apresentar apenas as oportunidades mais adequadas. O destino é a decisão mais importante para o intercâmbio e interfere diretamente na experiência do jovem.

Por isso, avalie com cuidado as opções apresentadas e não deixe que a agência decida sozinha. Os pais também têm importante papel nessa decisão e devem pesquisar mais sobre os países e cidades. 

Não sabe por onde começar? Busque conhecer as cidades procurando pelos costumes, pelas escolas disponíveis e pelo feedback de intercambistas. Assim, será capaz de decidir qual destino parece ser aquele que proporcionará a melhor experiência como um todo.

Considere a reputação e a experiência

É possível que você se depare com muitas agências oferecendo bons destinos. E se todos eles atenderem aos objetivos do intercâmbio do seu filho? Como escolher a empresa? Pela reputação e experiência no mercado. 

Ter profissionais com experiência em assessorar intercambistas em diversos destinos é importante, pois são eles que resolverão eventuais problemas. Essa equipe será responsável também por dar ao seu filho todo o suporte necessário durante o tempo no exterior.

Além disso, é preciso considerar a reputação no mercado. Pode existir uma agência com muito tempo de existência, mas como é a prestação de serviços? Ela está regularizada junto ao poder público? Como são os comentários de ex-clientes? Ter uma reputação positiva é fundamental. 

Um dos pontos que contribui para isso é a clareza nos serviços prestados no contrato de intercâmbio. Em geral, você deve verificar se a agência e os pais serão responsáveis pela matrícula nas instituições de ensino, pelos gastos com documentação e seguros, dentre outros pontos.

Portanto, não vá somente pelo preço. A qualidade do serviço, quando se fala de um intercâmbio para seu filho, tem mais valor. 

Converse com os pais de ex-intercambistas

Quando você vai procurar por um serviço, a primeira coisa que vem à cabeça é pedir indicações. Afinal, é melhor confiar em uma empresa que prestou um bom serviço a um conhecido. A mesma lógica funciona na hora de escolher a agência de intercâmbio.

Converse com os pais de ex-intercambistas para ter um feedback verdadeiro e direto. Como foi a experiência do filho em outro país? Qual era a postura da agência diante dos contatos dos pais e do intercambista? O suporte recebido durante a viagem foi bom? O atendimento foi rápido e correspondeu às suas expectativas? Tudo isso demonstra o nível de confiança que a empresa passa.

Analise recomendações confiáveis e peça dicas de quem já fez intercâmbio. A partir do momento em que você conhece os prós e os contras de cada agência, terá em mãos muito subsídio para tomar a melhor decisão.

Compare agências

Nossa última dica para escolher uma agência adequada para o intercâmbio do seu filho é comparar as empresas. Considere cada aspecto anterior que nós pontuamos, porque isso facilitará na hora de colocá-las frente e frente. Mais uma vez, lembre-se de que um preço mais baixo nem sempre atenderá a tudo que você deseja. 

Liste pontos prioritários, como suporte ao filho, destinos mais adequados, e veja quem oferece as melhores vantagens quanto a eles. Analise com calma o que cada proposta oferece, porque os serviços podem variar consideravelmente, afetando o preço.

Sem dúvidas, considerando as prioridades e o que é importante, você será capaz de encontrar uma boa agência.

 

Viver em outro país traz benefícios importantes para a vida de um jovem. Se seu filho deseja fazer um intercâmbio, demonstre suporte, sinta-se orgulho e o incentive. Seja um aliado na preparação dele para o mundo, inclusive colocando-o em um escola de inglês de referência, como o Centro Britânico.

Dessa forma, você verá nele um grande crescimento pessoal, decorrente da vivência intercultural, da autonomia e da conexão com outras pessoas e cidades.

Conheça o método de ensino do Centro Britânico que pode ajudar a preparar seu filho para um intercâmbio!

Comentários: